Festa da Fé: as palavras de quem esteve presente

O que achei da Festa da Fé, em geral:

Estava muito bem organizado e deram a conhecer a muitas pessoas o que há por toda a diocese. (Ana Agostinho)

No geral, achei bastante engraçado e apelativo. Para quem não conhecia a nossa cidade ficou a conhecê-la melhor. Um contra da actividade é que era muito muito grande e foi bastante cansativo. Mesmo assim foi engraçado. Para a próxima acho que se podia, se for possível, dividir os grupos para se conhecerem. (Paulo Cardoso)

Embora não pudesse ter estado presente em todas as actividades desenvolvidas, gostaria só de deixar aqui os meus parabéns a toda a organização. São, sem dúvida, actividades como esta que fomentam um caminhar na fé, sentido, verdadeiro e em comunidade. (Tânia)

Do pouco que pude participar, achei a “Festa de Fé” uma excelente ideia para colocar, com alegria, os cristãos no mundo. Tê-la feito coincidir com o dia da cidade, deu-lhe a atitude da Igreja que vem para a rua e está a par com a sociedade civil. A existência das barraquinhas também. Foi oportunidade de se reconhecerem os cristãos que, noutros locais, só se desconfiava que o eram :). (Filipe Neves)

Apenas estive presente no domingo, participando na actividade realizada para os escuteiros e posteriormente na missa e procissão. E quero dar os parabéns a toda a equipa que realizou esta actividade, pois estava sem dúvida, muito bem organizada. Espero que para o ano esta festa se torne ainda mais vivida e participada por todos. (Daniela)

Muito positivo, o pedi-paper excelente, mas um pouco complicado… Algumas perguntas eram de difícil resposta. A minha foto-reportagem está aqui http://pdivulg.blogs.sapo.pt/  As tendas muito variadas e engraçadas. Achei a tenda da Vigararia de Leiria muito pobre… Mas dou nota positiva. (Paulo)

No geral a Festa da Fé foi boa, com saldo positivo, pois encontrei pessoas de diversas paróquias, vigararias. Esteve sempre com pessoas a circular pelas barraquinhas e a participar nas diferentes actividades. Notava-se boa disposição, alegria, partilha, convívio entre as pessoas que participaram. Há sempre algo a melhorar, e podia ter tido ainda mais pessoas se tivesse sido um pouco mais incentivado nas paróquias. Mas deixo os parabéns a quem teve a ideia e o obrigado a quem trabalhou na organização. Penso que os objectivos foram conseguidos. (Sónia Repolho)

A festa da fé foi muito original e acho que não devia ficar só por aqui. Acho que marcou muita gente… foi uma fonte que brotava alegria a cristãos que contagiava até os mais distraídos… O facto de poder mostrar a cara alegre da nossa fé fez-me sentir leve para poder falar de coisas em comum… O entusiasmo dos cristãos iluminou a cidade… estão todos de parabéns… (Lino)

O que achei do Festival da Canção Jovem:

Além de ter visto apenas algumas musicas, achei que a participação foi boa e a interpretação do tema “Faz o que Deus espera de ti” destacou-se.(Ana Agostinho)

Visto que estava a fazer a actividade, não me foi possível assistir ao festival. (Paulo Cardoso)

Nunca tinha estado presente em nenhum. Adorei. É uma boa iniciativa pois, para além de expor as qualidades dos participantes, promove também a inovação/criação onde estão presentes a partilha e a fé. (Tânia)

Gostei muito da alegria que vi nos participantes com canções e do ambiente informal que, em geral, lhes vi. O som das vozes poderia ser mais bem captado/equalizado, pois tive dificuldade em entender as letras. O ar livre também dificulta… Mas tem a vantagem de colocar a pastoral por entre a sociedade civil (já tinha dito :). E dá mais ar de festa. A localização e dimensão do som de retorno do palco atrapalhava a visualização dos artistas. O apresentador é o máximo! Com uma equilibrada postura de humor sem deixar o principal do seu papel. Exemplar! O troféu/prémio estava muito bem estudado: simples e significativo. Mas achei que estava pouca gente! Do calor? Talvez estivessem “camuflados” ao abrigo da sombra… (Filipe Neves)

Não pude assistir, pois fizemos o pepi-paper na mesma hora do festival. Ainda apanhámos a canção vencedora e era muito boa, excelentes vozes. O sol bateu com muita força, o que não ajudou a assistir ao espectáculo na rua… (Paulo)

Correu bem, pouca juventude a ver o Festival. Possivelmente o calor que se fez sentir não ajudou. Quanto às músicas que participaram, não achei que houvesse alguma que se destacasse e fosse mesmo boa. Temos de investir mais nos adolescentes e jovens. Força! (Sónia Repolho)

O festival foi espectacular… é pena so ir uma banda ao fim… A face jovem da Igreja mostra-se e contagia… (Lino)

O que achei do Concerto da Banda Jota:

Havia muita gente a assistir, além de maior parte das pessoas não conhecer as músicas da Banda, o concerto teve um público grande. (Ana Agostinho)

Foi bastante interactivo, tem um elenco bastante interactivo com o público, embora este não tenha entrado muito dentro do “concerto”. Gostei também da mensagem que o grupo passou. (Paulo Cardoso)

Foi uma boa aposta. Eu já conhecia, mas não deixa de ser fantástico toda aquela animação ao mesmo tempo que se partilham ideais. (Tânia)

Óptimo! Conseguiram meter as pessoas a mexer, o dinamismo presente é impressionante, até a minha filha de 8 anos veio a cantar o “Braços no ar…” Tenho pena, pois parece-me que foi pouco participado. (Paulo)

Foi bom, é uma boa escolha.! A banda Jota já tem muita experiência em trabalho com a juventude e em convertos. Já era tempo de vir a Leiria (nr: A Banda Jota já tinha vindo uma vez a Leiria, fazer a segunda parte do Festival da Canção Jovem). Se calhar ter estado um pouquinho mais de tempo…. Talvez para um próximo invento… (Sónia Repolho)

Foi um misto de animação e paródia, mas com um lado muito objectivo de nos tocar no coração… e apesar da animação, sabíamos que alguém maior que nós estava ali… quero ir ao festival jota vê-los novamente (nr: mais informações aqui). Durante o concerto fui comprimentar os meus amigos convivas e aconteceu uma coisa espectacular: cumprimentei-os a todos e o nosso bispo estava ali ao lado. Fiquei todo envergonhado sem saber como se cumprimenta um bispo: acho que se tinha que beijar o anel ou assim qualquer coisa. Estava para não o cumprimentar, mas o padre Manel incentivou-me e eu, muito envergonhado, fui para lhe apertar a mão e o D. António dá-me um abraço que tocou-me muito cá dentro. O nosso bispo tem uma alma jovem… Aquele gesto faz-me lembrar um pai que ali acolhia o filho pródigo… (Lino)

O que achei do Shemá:

O Shemá apesar de ter sido tarde, pareceu-me que teve muita adesão por parte dos jovens. Se calhar muitos deles nunca tinham participado num encontro Shemá e são capazes de querer repetir a experiência. (Ana Agostinho)

Foi muito tarde por isso não pude ir… (Paulo Cardoso)

O shemá… adorei 🙂 Apesar da quantidade de gente, foi possível manter um ambiente de silêncio e oração como esperamos encontrar nos habituais encontros. Talvez o menos bem sucedido tivesse sido o gesto, não muito acessível às pessoas que ficaram sentadas mais atrás. As músicas… fantásticas! (Tânia)

Não gostei… (pois é , não é só dizer bem) a acústica da Sé é péssima… E para as pessoas que ficaram mais para trás tiveram grandes dificuldades em entender as leituras, e muitas saíram antes do fim. A ser repetido, mas não na Sé… Para mim é importante ser num local acolhedor, a Sé é demasiada ampla e estraga um pouco o ambiente, acolhedor… é pena. Mas claro do resto 5* (Paulo)

O Shemá, foi bom. Muito mais, depois de um dia cheio de actividades e música, terminar com o shemá foi muito bom. Fiquei surpreendida com o número de participantes.(Sónia Repolho)

Depois da agitação da banda jota, um momento para parar um pouco e encontrarmo-nos com o anfitrião da festa… quando é a próxima festa da fé? (Lino)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *